Lígia de Noronha * psicóloga, especialista no despertar da consciência

Consultas

Membro Efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses (Cédula Profissional nº 21447)

Há quase 20 anos que dou sessões presenciais de aconselhamento psicológico individual, de casal e familiar. Em Moçambique e em Portugal. Quando necessário e oportuno, dou-as via Skype ou telefone, também, para qualquer região ou país.

As sessões individuais têm a duração mínima de 01h30m, e o envio de uma auto-biografia por email (antes da realização da primeira sessão) é sugerido, porém não é obrigatório; orientações para a sua elaboração vêm incluídas mais abaixo.

As sessões de casal demoram 2h30 (ou mais), e as familiares cerca de 3h30m.

Até aqui, entre 2 a 4 sessões individuais têm sido suficientes. A prática vem demonstrando que as pessoas que iniciam logo a mudança, mesmo que com pequenos passos de cada vez, seguindo persistentemente as orientações, obtêm resultados extraordinariamente positivos e imediatos.

Considerações a ter em conta aquando de uma marcação

É importante que seja a própria pessoa (que quer ter a sessão) a telefonar e a marcar. Apenas quando o/a cliente tem menos de 14 anos é que se aceita que seja um adulto a marcar por ele/a. Uma vez que a sessão esteja marcada, qualquer alteração à hora e/ou ao dia agendados precisa de ser feita com pelo menos 24h de antecedência, uma vez que atrasos (+ 15 min.), alterações posteriores a este prazo e faltas cancelam a sessão e implicam o seu pagamento na íntegra (do valor correspondente a 1h30).

Informações gerais

Nas sessões de casal, identificam-se as origens do(s) conflito(s) e problema(s), invocam-se as forças e potenciais reparadores, e simula-se o tipo de comunicação ideal entre os elementos. Convém que a primeira sessão de casal tenha lugar apenas depois de cada pessoa envolvida ter tido, pelo menos, 1 sessão individual.
Nas sessões familiares, proporciona-se uma atmosfera de partilha e de escuta entre os membros, o que promove a aceitação e a confiança.
Nas sessões individuais, trabalha-se para a eliminação de núcleos de culpa, medo, raiva e ressentimento, para a transformação de padrões de pensamento, sentimento e comportamento negativos, e para o desenvolvimento do amor-próprio/poder pessoal.

Auto-biografia (orientações para elaboração)

Para a primeira sessão individual, é sugerida a elaboração de uma auto-biografia, a ser-me enviada por e-mail um ou dois dias antes. Para se a redigir, é importante que se considere e siga as seguintes orientações: Idealmente desliga-se os telefones e garante-se que se faz o exercício do princípio ao fim sem se ser interrompido/a. Não interessa o modo como se escreve; o conteúdo, aquilo que afluir à mente (com o apoio da intuição), é partilhado tal como sai… Dos primeiros anos é natural que não nos lembremos, no entanto, pode ser que tenhamos ouvido dizer que, por exemplo, durante a gravidez, e/ou depois, à nossa mãe aconteceu isto ou aquilo… Por períodos etários, tipo 2-4, 4-6, 6-8 anos… até hoje, mencionam-se factos, acontecimentos, situações (de mudança, com pessoas, na escola, etc.) que de algum modo nos tenham marcado (positiva ou negativamente), incluindo-se a seguir ao relato os sentimentos e emoções associados – o que sentimos na altura. Trata-se de um exercício por si mesmo terapêutico e muito útil a vários níveis. É importante que nos permitamos sentir e nutrir todas as emoções que possam emergir durante este valioso trabalho de retrospecção, auto-reflexão e análise.

Posso ainda dar sessões quinzenais de aconselhamento em grupo, as quais têm a duração de cerca de 3h cada. Oriento-as com base nos seguintes temas incluídos no Livro que escrevi e editei (“Desenvolvimento Pessoal em Casa e no Trabalho“):

  • Memórias da infância e adolescência – em prol (do início) da consciência
  • Relação com pais e outros familiares – em prol (do início) da cura
  • Co-dependência – identificação e transformação
  • Limpeza do coração – transmutando culpa, raiva e ressentimento
  • Relações passionais e conjugais – compreendendo a verdadeira função
  • Relação com filhos/as – em prol da inter-aprendizagem e entendimento
  • Renovação de pensamentos e linguagem
  • O emprego actual – auto-questionamento e mudança
  • Qualidades inatas e sonhos – identificação, resgate e manifestação
  • Inteligência espiritual e Serviço

Para mais informações sobre todos os tipos de sessões de aconselhamento que dou, agradeço contacto por e-mail ou por telefone.

Sobre a experiência que tenho e a abordagem que uso…

Serei uma conselheira diferente, tendo uma forma natural, simples, firme, directa e prática de me relacionar com quem me procura? Dizem que sim, e é esse desempenho que me destaca relativamente à prática clássica da minha actividade… O que veiculo tem como base antes de mais experiência própria, princípios espirituais universais que vivo no dia-a-dia, e ainda o que vejo resultar com/nas pessoas que vêm ter comigo para ‘ventilar’… Ao longo destes quase 20 anos a dar sessões de aconselhamento individuais, de casal e familiares, venho desenvolvendo grande capacidade de escuta e de aceitação – com o coração! Clientes que tenho atendido sentem ausência de julgamento no meu ouvir interessado e atento (importando para mim antes de mais aquilo que me dizem e não o que penso sobre o que dizem), e nas palavras sábias, esclarecedoras e orientadoras que transmito. Confiam, abrindo-se e entregando-se ao processo de auto-consciência e mudança, em geral seguindo os conselhos que dou e beneficiando tremendamente disso. Insisto num trabalho que costuma fazer emergir muitas resistências (daí que pode fazer-nos avançar muito quando é feito): o da cura do ressentimento (por detrás do qual está algum tipo de culpa) por meio da afectuosidade – do olhar, do toque (beijos, carinhos e abraços) e palavras doces, positivas… E refiro-me (antes de mais) à cura do ressentimento tido relativamente a pessoas mais próximas (figuras parentais e outros familiares que estiveram presentes na nossa infância e/ou adolescência), uma vez que este importantíssimo trabalho (de base) de ‘limpeza do coração’ vem automaticamente a beneficiar todas as nossas outras relações (para as quais deslocamos frequentemente esse ressentimento original), estimulando-nos a transmutar a voz da ‘vítima’ e a assumir de vez o resgate do amor-próprio – aquele que nos permite estar genuinamente bem com nós mesmos/as e com todas as outras pessoas…! Sigo um modelo de abordagem e intervenção desenvolvido por mim. O/a cliente desperta para a consciência de quem verdadeiramente É – operando um trabalho de transformação interna profunda e irreversível… Do uso negativo/defensivo que possa vir fazendo da mente, e da possível experiência de auto-repressão e falta de amor-próprio, passa a usar o mental (de modo construtivo) para aceder a núcleos inconscientes do seu Ser, e vai percebendo a origem dos seus padrões de comportamento, pensamento, sentimento (etc.) desequilibrados e que (novas) escolhas e (importantes) mudanças precisa de fazer. Ao irmos percebendo que na base de qualquer pensamento, emoção, sentimento, acção, reacção que temos está sempre ou amor-próprio, ou medo, vamos eliminando os medos (de ficar só, não ser amado/a, não ter valor, não ser capaz, etc.), agindo corajosa e persistentemente, sentindo que afinal contemos em nós tudo o que precisamos para mudar e que somos nós os responsáveis tanto pelo estado em que nos encontramos (e por tudo o que nos acontece) como pelo nosso crescimento e bem-estar. As sessões de aconselhamento que dou visam o despertar da consciência para quem verdadeiramente somos – Veículos de Amor – explorando-se para isso essencialmente os seguintes aspectos:

  • desconhecimento profundo de Si mesmo (velho sistema de valores, crenças e convicções);
  • interiorizações parentais e seu reflexo nas relações adultas (falsos padrões de pensamento, de atitude, etc.);
  • mecanismos de defesa e de fuga inconscientes (modos de reagir e comportar a partir de medos antigos/profundos – memórias);
  • carências e dependências (influência do passado sobre o presente);
  • ressentimentos e culpabilidades (auto-vitimização e auto-negação ou punição inconscientes);
  • qualidades por descobrir/explorar e sonhos por realizar (da resignação e frustração à auto-realização e satisfação pessoal – propósito de vida).
Back to top